Como fazer financiamento imobiliário sendo autônomo?

22 Abril 2022 | Atualizado em 18 Maio 2022
Por Redação imobles

home branco tomado caféO financiamento imobiliário para autônomos é uma realidade e, assim como em outras situações de trabalho, a possibilidade do empréstimo está totalmente associada à receita média mensal do solicitante e outros requisitos básicos estipulados pelas instituições financeiras.

Mas, diferentemente dos trabalhadores que exercem suas atividades dentro do regime CLT, e assim têm renda formal para financiar imóvel, os profissionais autônomos têm mais trabalho na hora de solicitar um financiamento imobiliário e comprovar sua renda, visto que não possuem holerite mensal, como é o caso do trabalhador assalariado.

Mesmo assim, nada que impeça a solicitação e aprovação do financiamento, se tudo for feito como manda o figurino. Por isso, para facilitar esses e outros trâmites burocráticos, aqui você aprende como financiar um imóvel sendo autônomo e como comprovar sua renda nesse tipo de situação. 

Como comprovar renda sendo autônomo?

O autônomo deve comprovar renda de acordo com a forma em que desempenha suas atividades, ou seja, como pessoa física ou pessoa jurídica.

Comprovante de renda do autônomo que exerce suas atividades como pessoa física:

  • Extrato bancário: de modo geral, referente aos últimos 6 meses de operação.
  • Declaração anual do Imposto de Renda: mesmo que de isenção, se esse for o seu caso.
  • Extrato mensal do Carnê-Leão: utilizado para recolher tributos sobre atividades desenvolvidas por pessoas físicas.

Mas, como precaução, leve todos os documentos comprobatórios que conseguir. Afinal, é do seu futuro imóvel que estamos falando, certo?

Comprovante de renda do autônomo que exerce suas atividades como pessoa jurídica:

  1. Contrato social da empresa: comprovando a abertura da empresa.
  2. Faturamento anual da empresa - assinado pelo contador: comprovando quanto o negócio do autônomo movimenta anualmente.
  3. Extrato bancário da conta jurídica dos últimos três meses: comprovando a origem dos recebimentos.
  4. Declaração anual do Imposto de Renda: nesse caso, o IR da pessoa física, ou seja, do autônomo, comprovando a renda recebida durante o ano anterior.
  5. Extrato bancário da pessoa jurídica e também da pessoa física: geralmente dos últimos três meses expressando quanto o profissional autônomo recebe de pró-labore.
  6. Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos (Decore): documento preenchido por um contador, utilizado para comprovar a renda de profissionais que não possuem CNPJ. Aceito somente no Banco Bradesco.

Como comprar imóvel sendo autônomo?

A principal diferença entre comprar um imóvel como profissional assalariado e comprar um imóvel como autônomo é a forma de comprovar sua renda.

Sendo no último caso, um pouco mais trabalhoso, uma vez que o profissional autônomo, seja ele informal, liberal ou PJ, não recebe um salário fixo, nem mesmo um contracheque que comprove sua receita mensal.

Documento que é importante para solicitar um financiamento imobiliário e passar na análise de crédito da instituição bancária em questão.

Tirando isso, o processo de compra continua o mesmo, sendo constituído pelo planejamento financeiro, escolha da localização e do imóvel, pesquisa do mercado imobiliário e suporte de profissionais da área.

Passando por todo esse processo e comprovando seus ganhos diante do banco, construtora ou proprietário, o profissional autônomo consegue comprar seu imóvel normalmente.

Como fazer um financiamento imobiliário sendo autônomo?

Confira aqui o passo a passo do financiamento imobiliário no caso dos profissionais liberais.

1 - Decida o tipo do imóvel financiado

Esse passo é super importante, uma vez que dependendo do tipo de imóvel, a dinâmica do financiamento pode se alterar um pouco.

Nesse caso, as principais diferenças estão no financiamento de um imóvel pronto para morar ou de um imóvel na planta, ainda em construção.

Isso porque, no primeiro caso, todo o financiamento é feito por uma instituição financeira, enquanto no segundo, a negociação é feita em duas etapas: a primeira diretamente com a construtora e a segunda com o banco.

Assim, se for do seu interesse financiar um imóvel na planta, o primeiro “financiamento” deve ser feito com a construtora responsável pela obra.

Nesse momento, a empresa também realiza uma análise de crédito e, se aprovado, oferece a oportunidade de parcelamento do valor de entrada, utilizado para financiar a construção da unidade.

Depois do imóvel pronto, o autônomo pode quitar o restante do valor de uma só vez ou solicitar um financiamento imobiliário. Aqui, o empréstimo acontece conforme o passo a passo seguinte.

2 - Solicite o crédito imobiliário na instituição escolhida

O segundo passo consiste na solicitação do crédito imobiliário na instituição financeira de sua preferência. Porém, lembre-se de comparar o custo efetivo do financiamento, ou seja, o valor total já acrescido de todas as taxas, em cada uma das instituições antes de escolher uma delas.

Vale lembrar que o autônomo também pode financiar o seu imóvel pela Caixa Econômica Federal, aproveitando as condições de programas mais populares, como o Casa Verde e Amarela.

Aliás, pensando na aprovação versus reprovação do seu financiamento, é mais fácil que você consiga o crédito imobiliário em um banco no qual você é cliente. Pois, assim, o banco já conhece o seu histórico de movimentações financeiras e também de pagamentos.

O pedido de pré-aprovação funciona da seguinte maneira: você entra em contato com a instituição financeira e encaminha o seu pedido, informando o valor do imóvel e quanto do valor dele você quer financiar.

De modo geral, os bancos financiam até 80% do valor do imóvel, mas, antes de aprovar o crédito e qualquer outra porcentagem desse valor, consideram a renda mensal do solicitante, sua idade, profissão e histórico nas instituições de proteção ao crédito - Serasa e SPC, por exemplo.

3 - Reúna a documentação necessária para o período de pré-aprovação

Antes do banco aceitar ou recusar o seu pedido de crédito, a instituição irá analisar a documentação necessária para conceder o financiamento. Basicamente, os documentos solicitados serão seus comprovantes de renda.

Por isso, enquanto você se organiza e pensa melhor sobre o financiamento imobiliário, é fundamental que você reúna documentos necessários para comprovar sua renda e sua estabilidade financeira diante do banco.

Durante esse tempo, uma dica é melhorar a sua nota de crédito do consumidor e concentrar seus ganhos em uma mesma conta bancária, de preferência, naquele banco que você quer solicitar o financiamento.

4 - Espere a análise jurídica e a vistoria do imóvel

Depois de apresentar a documentação solicitada e ter o financiamento pré-aprovado, o banco fará uma análise jurídica dos documentos do vendedor proprietário e também do imóvel. Afinal, qualquer irregularidade envolvendo a propriedade ou o vendedor pode embargar o financiamento.

Imóvel:

  • Matrícula do imóvel completa e atualizada.
  • Espelho do IPTU mais recente.
  • Certidão negativa de débitos municipais.
  • Certidão de ônus do condomínio.

Vendedor proprietário:

  • Certidão do Cartório de Protesto.
  • Certidão Cível e Criminal.
  • Certidão Trabalhista.
  • Certidão Negativa na Justiça Federal.
  • Certidão de Regularidade Fiscal.

Comprador - documentos complementares:

  • Certidão de estado civil.
  • Formulário de dados para realização do seguro de vida.
  • Informações de conta corrente.
  • Imposto de renda do último ano de exercício, com recibo de entrega ou declaração de isenção do imposto de renda.

Em seguida, vem o processo de vistoria do imóvel, em que a instituição financeira irá verificar, de perto, as condições do imóvel e se tudo o que você colocou no pedido do financiamento condiz com a realidade.

Nessa etapa, uma empresa de engenharia especializada visita a propriedade e verifica a metragem, área construída, finalidade de utilização, entre outras características do imóvel.

O objetivo dessa análise é averiguar se o valor do imóvel é compatível com a quantia que está sendo financiada e, evidentemente, se a propriedade tem potencial para servir como garantia caso o comprador se torne inadimplente.

5 - Assine o contrato de financiamento e pague os tributos

Depois da vistoria do imóvel e da aprovação jurídica dos documentos do vendedor e da papelada da propriedade, você pode respirar tranquilo, pois o seu financiamento foi finalmente aprovado - ufa!

A próxima etapa será regularizar tudo isso através da assinatura do contrato de financiamento no cartório. Aqui tanto o comprador quanto o vendedor devem registrar firma. Depois disso, o dinheiro é transferido para o, então, ex-proprietário do imóvel.

Durante esse processo, também será necessário fazer a escritura do imóvel e seu registro no Cartório de Registro de Imóveis, pagando o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis - ITBI - em seguida. As despesas de cartório e tributos são de responsabilidade do comprador.

6 - Pague o saldo devedor diretamente ao banco

Agora seu compromisso é com o banco, mensalmente, durante algum tempo, seguindo todas as condições negociadas no momento da solicitação.

Lembre-se de pagar as prestações do seu empréstimo sempre na data, pois o atraso pode acarretar em juros desnecessários.

Prontinho, agora você pode fazer o seu financiamento imobiliário como autônomo tendo consciência de como o processo funciona, detalhe por detalhe.

Deixe seu comentário ou dúvida

Artigos relacionados

Encontre o apartamento ideal hoje mesmo. Ajudamos você!

Chame um consultor agora ou agende uma ligação.