Escute o conteúdo por áudio:

Uma das partes que mais assusta os compradores de imóvel é o momento do pagamento. Isso porque é nessa etapa que nos deparamos com os contratos bancários e as temidas “letras miúdas”, especialmente se você for optar por algum dos tipos de financiamento imobiliário. Mas não precisa se assustar!

Que tal uma ajudinha?

Neste conteúdo você poderá entender, de forma prática, como funciona todo o sistema que constitui os tipos de financiamento imobiliário. Conheça cada uma das modalidades pelas quais você pode adquirir um imóvel além do financiamento bancário, como o consórcio e o pagamento direto com a construtora. 

Conheça também as condições especiais do Programa Casa Verde e Amarela (antigo Minha Casa Minha Vida) e como funciona o financiamento direto com as construtoras.

Glossário do financiamento imobiliário

Captação ou Pré-chaves: É o pagamento parcial de um imóvel na planta (ou em construção) feito diretamente à construtora. Normalmente ele é constituído de uma entrada + parcelas e ocorre somente enquanto o imóvel ainda está em construção. Geralmente, são captados 25% e 45% do valor total do imóvel.

Prestação total mensal (PTM): Essa parece um pouco óbvia, mas é importante que você entenda do que a parcela do financiamento, ou prestação total mensal, se constitui. 

O valor do financiamento pago mensalmente é composto por:

  • A amortização da dívida em si;
  • Os juros bancários, que são a forma que o banco monetiza em cima desse produto financeiro;
  • As taxas de administração, que são valores cobrados em quase todo tipo de transação bancária;
  • O seguro de vida, que é instituído por lei e garante que, em caso de morte, o bem passe para o herdeiro mais próximo e com a dívida já quitada;
  • O seguro do imóvel para casos como incêndio ou outros, já que o bem é a própria garantia do financiamento;

Balão/reforço: São parcelas semestrais ou anuais que possuem valor maior quando comparadas com o pagamento mensal e representam uma maior amortização da dívida com objetivo de diminuir o tempo de pagamento.

TR: A taxa referencial é regulada pelo Governo Federal e serve como base para o cálculo de correção do valor contido nas contas de FGTS. É usado também como a principal taxa de correção monetária na maior parte dos financiamentos imobiliários.

FGTS: O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é um direito garantido por lei a todos que possuem carteira de trabalho assinada.

INCC: O Índice Nacional de Custo da Construção mede a variação dos preços que envolvem a construção civil, como matéria prima, mão de obra, dentre outros. Para saber tudo sobre o INCC e como ele é calculado, confira aqui.

CUB: O Custo Unitário Básico da Construção é um valor que tem função similar ao INCC: medir a variação de preços que envolvem a construção civil. A diferença é que o CUB é medido por estado brasileiro, enquanto que o INCC é a média nacional.

IPCA:
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo é medido pelo IBGE e traz a média do custo de vida mensal das famílias que têm de 1 até 40 salários mínimos de renda. Esse é o principal índice de inflação no Brasil usado  como base para o cálculo de juros em alguns tipos de financiamento imobiliário.

Juro efetivo: É aquele executado pelos bancos na prática. O juro efetivo compreende o valor final do cálculo de juros sobre o valor da dívida, ou seja, corresponde ao valor que de fato você pagará  à instituição financeira.

Juro nominal:
Corresponde ao valor isolado de juros, isento de variações como a inflação e outros custos que estão incluídos no financiamento imobiliário como um todo, e desconsiderado na hora de fazer o cálculo do valor da sua parcela. Ele serve somente para ilustrar os juros bancários. 

Custo efetivo total (CET): Esse é o valor total do custo financeiro desembolsado pelo consumidor na hora de financiar o imóvel. Inclui os juros, taxas de reajuste do valor e outras despesas de financiamento, como seguro obrigatório, por exemplo.

Tipos de financiamento imobiliário

Existem muitas maneiras de financiar um imóvel hoje em dia: com banco público, banco privado, com construtoras e até mesmo com ajuda de programas governamentais de subsídio. Neste conteúdo você vai conhecer as maneiras mais utilizadas pelos brasileiros, assim como os perfis de cada público ideal para diferentes tipos de financiamento.

SBPE

O Sistema Brasileiro de Poupança e Crédito (SBPE) é uma iniciativa governamental que tem o objetivo de baratear o financiamento imobiliário, deixando mais acessível a aquisição de imóveis através da cobrança de juros mais baixos. Isso porque a ideia central do SBPE é permitir que os bancos, privados e públicos, utilizem e  disponibilizem o valor investido da poupança para que você possa financiar uma casa, apartamento ou terreno.

Na prática, a maior parte das aquisições de imóveis ocorre utilizando recursos do SBPE, devido ao valor mais baixo de juros que essa modalidade proporciona a dois tipos de financiamento: o SFI e SFH.

Entenda a diferença entre eles e quem pode se beneficiar cada uma desses tipos de financiamento imobiliário: 

SFH 

O Sistema Financeiro de Habitação (SFH) é um dos tipos de financiamento imobiliário disponibilizado através do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Crédito), e, normalmente, disponibiliza os juros mais baixos dentre as duas opções, com juros que partem de 6,7% ao ano. Mas essa porcentagem de juros praticada em cada financiamento depende da avaliação de perfil de crédito do comprador.

É muito importante que você entenda quais são as fases do financiamento imobiliário. Para isso, confira nosso conteúdo sobre o passo a passo do Financiamento Imobiliário.

Além disso, o SFH cobre somente 80% do valor total do imóvel, sendo os 20% restantes dados como entrada. Esse sistema de financiamento também leva em conta a renda mensal do comprador para que, mensalmente, somente 30% da renda bruta familiar seja comprometida com a parcela do pagamento. É permitido nessa categoria a utilização do FGTS para até 80% do valor total  do imóvel, na entrada ou também para amortização do valor total.

Confira aqui algumas regras aplicadas ao COMPRADOR para financiar um imóvel pelo SFH: 

  • Ser brasileiro ou naturalizado;
  • Ter 18 anos completos ou 16 anos emancipado;
  • Renda mensal comprovada maior que R$5 mil;
  • Não ter financiamento ativo no momento da solicitação;
  • Não possuir encargos perante SERASA, SPC ou com a Receita Federal;
  • Trabalhar ou morar, no mínimo um ano, na cidade do imóvel a ser financiado.

Confira aqui algumas regras aplicadas ao IMÓVEL para financiar um imóvel pelo SFH: 

  • Ser residencial;
  • Valor máximo de R$1,5 milhão;
  • Estar localizado em região urbana, seguindo o Plano Diretor Municipal;
  • Possuir escritura pública e constar no Registro de Imóveis da região em questão.

Em resumo, o SFH é pensado para aqueles que querem morar em imóveis de médio alto padrão e tem a intenção de residir no imóvel em questão.

SFI

Como visto acima, o SFH possui regras bastante claras e restritivas para sua utilização. Por isso, nos casos em que os imóveis não se enquadram no SFH, é utilizado o Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI) para financiá-los. Isso porque, as regras aplicadas no SFI são mais abrangentes e incluem quase todo tipo de imóvel. 

Mas por que não utilizá-lo em todos os tipos de financiamentos? Simples! As taxas de juros são mais altas em relação à primeira opção, então para os casos onde o SFH se encaixa, é claro, compensa usá-lo. Agora, se você está pensando em comprar um imóvel que não se encaixa nos pré-requisitos do SFH, descubra se você se encaixa no SFH, vale dar uma olhada nos critérios para utilização do SFI.

Confira aqui quais são os casos ideias para utilização do SFI:

  • Compras através de pessoa física ou jurídica (com CNPJ);
  • Não possui valor mínimo de imóvel;
  • Imóveis com fins comerciais;
  • Imóveis em zona rural ou industrial da cidade.

Programa Casa Verde e Amarela 

O antigo “Minha Casa Minha Vida” é um programa governamental de subsídio imobiliário existente desde 2009. Recentemente passou por mudanças que vão além do nome “Casa Verde e Amarela”. Ele é uma categoria especial do SFH e é disponibilizado somente pela Caixa Econômica Federal. O programa foi criado pensando em subsidiar a compra do primeiro imóvel próprio com taxas de juros ainda mais baixas do que as praticadas no SFH. O objetivo do programa é democratizar o acesso à casa própria, uma vez que o Brasil historicamente sofre com o problema de déficit habitacional.

Assim como os outros meios de financiamento, o Casa Verde e Amarela possui condições específicas para ser aplicado. A primeira delas é que o imóvel, ou a construtora responsável, deve estar cadastrado no programa, para isso ambos passam por avaliação feita pela Caixa, durante a fase de análise do financiamento.. Além disso, a maior parte dos imóveis está localizado em área urbana e é de médio ou baixo padrão. 

Outro ponto essencial é a faixa de renda do comprador. Para usufruir do Programa Casa Verde e Amarela, a renda familiar bruta deve ser de até R$7 mil mensais. 

Dentro do Programa existe uma divisão de condições de acordo com a faixa de renda familiar do comprador. Entenda as diferenças:

  •  Para aqueles que têm até R$2 mil, os valores de subsídio são de até R$47,5 mil e os juros de até 4,75%. Os números podem variar de acordo com o imóvel e a região;
  •  Para os que possuem renda familiar bruta entre R$2 mil e R$4 mil, os subsídios vão até R$29mil, variando com a região de localização;
  •  Já para quem tem renda de até R$7 mil, condições especiais de juros são aplicadas, podendo variar de acordo com a faixa de renda e local do imóvel.

Você ficou interessado sobre o Programa Casa Verde e Amarela? Confira aqui o Simulador Online de Crédito Habitacional da Caixa Econômica Federal.

Financiamento imobiliário com a construtora

Além dos tipos de financiamento imobiliário com bancos, também é possível realizar o pagamento de imóveis direto com as construtoras. Essa opção, no entanto, não é válida para venda de imóveis usados, já que a maior parte desses negócios são feitos por pessoas físicas, diretamente com os donos atuais do bem. Agora que você já sabe que o financiamento com a construtora só acontece para os imóveis novos, na planta ou prontos para morar, entenda como funciona as duas fases dessa modalidade:

Captação e pré-chaves

Na prática, para o comprador, a captação é o pagamento feito antes da entrega das chaves e que representa de 25% a 45% do valor total do imóvel. Ela pode ser traduzida como o financiamento da obra. Isso porque ela ocorre de forma obrigatória enquanto o imóvel ainda está na planta ou em construção e serve como o investimento financeiro de base para que a obra aconteça.

Esse pagamento não possui juros, somente a correção monetária aplicada, normalmente, com base no INCC, o índice que define a variação dos preços envolvidos na construção civil a nível nacional. Não se assuste se na compra do seu imóvel esteja incluso o CUB ao invés do INCC, já que esse na verdade é a versão do INCC calculado em cada estado do país. É importante ressaltar que o tempo desse pagamento e o número de parcelas varia de acordo com o tempo da própria obra, entre 1 e 5 anos, em média.

Além disso, as regras de pagamento pré-chaves variam de acordo com a construtora. Comumente, elas são bastante flexíveis e incluem facilidades como o uso de balões ou reforços no fluxo de pagamento. Esses recursos, nada mais são do que parcelas anuais ou semestrais de valor mais alto, que servem tanto para diminuir o tempo do pagamento, quanto para diminuir o valor das parcelas mensais, pesando menos em suas despesas do mês.

Por isso é importante que você conheça a empresa que vai construir seu novo lar ou investimento para garantir a segurança do negócio. Se você é de Goiânia, disponibilizamos um conteúdo completo sobre as principais construtoras da cidade.

Pós-chaves

Para os imóveis que foram comprados na planta, a fase de captação é obrigatória, o que não ocorre para a fase de pagamento pós-chaves, quando o imóvel já está pronto para morar. Nesses casos, quando o imóvel já possui registro e documentação, o financiamento pode ocorrer também por instituições financeiras, tornando o financiamento com a construtora apenas mais uma das opções disponíveis.

Diferente da fase de captação, o financiamento pós-chaves direto com a construtora, possui juros que costumam ser significativamente mais altos que aqueles oferecidos pelos bancos. O destaque desse tipo de pagamento está na maior facilidade de aprovação, por exemplo, para aqueles que possuem o nome comprometido em instituições como SERASA e SPC ou para quem mora fora do Brasil e quer investir aqui sem pagar à vista. 

Consórcio imobiliário

O consórcio imobiliário funciona de modo contrário ao financiamento. Isso porque,o pagamento já começa a ser realizado bem antes da compra do imóvel em si. Ele pode ser considerado como uma “poupança forçada”, já que você possui a obrigatoriedade do pagamento mensal mesmo sem o bem em mãos. 

Esse é um método de obtenção de crédito que pode gerar muitas dúvidas. Para que você entenda, vamos à explicação: o consórcio imobiliário é um produto financeiro disponibilizado por bancos ou instituições financeiras específicas que reúne um grupo de clientes que tem por objetivo final a obtenção de uma carta de crédito, que nada mais é que o próprio dinheiro. Essa carta possui valores pré especificados em contrato que possui períodos de tempo variados, sendo escolhido pelo contratante.

Para ter acesso a carta de crédito, o consorciado tem algumas opções:

  •  Ser escolhido através do sorteio que ocorre mensalmente desde o primeiro mês de pagamento até o final do consórcio. Essa opção é mais voltada para aqueles que não tem pressa para conseguir o imóvel, já que depende muito de sorte, onde você ser sorteado no primeiro mês ou no final do pagamento, depois de anos;
  •  Dar um lance de valor mais alto, amortizando um valor maior que a parcela, podendo ser contemplado ou não. Isso porque o lance mais alto do mês será beneficiado com a carta de crédito, mas as instituições não costumam divulgar os valores necessários previamente e por isso, essa opção também depende um pouco de sorte;
  •  E por último, a mais longa das opções, é chegar ao final do pagamento do consórcio, quando todos terão direito a carta de crédito.

Mesmo com a incerteza sobre o tempo, ele pode ser bastante útil para aqueles que não conseguiram aprovação para o financiamento imobiliário disponibilizado pelo banco, mas que não querem pagar taxas tão altas financiando diretamente com a construtora. 

No consórcio são cobradas apenas taxas de administração pela instituição financeira, e, com o passar do tempo, o valor passa por correção monetária, garantindo que o valor inicial contratado, e pago mês a mês durante anos, seja equivalente quando a pessoa for contemplada, ou finalizar o pagamento.

Qual melhor tipo de financiamento imobiliário?

Para saber qual o melhor tipo de financiamento imobiliário, escolha aquele que se encaixa nas suas condições e que tenha as menores taxas de juros.

Assim, se você possui renda mais baixa, entre R$1.5 mil e R$5 mil, o financiamento mais indicado é pelo Programa Casa Verde e Amarela, subsidiado pelo governo federal.

Já se você escolheu um imóvel de até R$1.5 milhão, que não se encaixa na utilização desse programa, a melhor escolha é o financiamento bancário SFH, por disponibilizar juros mais baixos do mercado, mesmo não tendo os subsídios.

Por outro lado, se você reside fora do Brasil e não tem comprovação de renda no país, as opções são: o financiamento com a construtora e o consórcio imobiliário. A decisão entre eles está diretamente ligada ao tempo que você pode esperar pelas chaves do seu novo imóvel. Está sem pressa? O consórcio pode ser uma boa opçãojá que na maior parte das vezes essa modalidade possui taxas menores. Tem urgência? Programe-se e escolha o financiamento pós-chaves direto com a construtora.

Precisando da ajuda de um especialista na compra de imóveis? 

Nós, da imobles, podemos te auxiliar para conseguir o melhor tipo de financiamento imobiliário! Aquele que se aplica às suas condições e necessidades no momento que você está vivendo. Quer uma ajudinha?

Ei, pode ficar tranquilo! Seus dados estão protegidos com a gente, e nós não vamos te mandar Spam, viu?!