Escute o conteúdo por áudio:

Você sabia que o nível de incidência solar em um imóvel é tão importante quanto fatores como a metragem, a localização e o andar do apartamento? Inclusive, a posição do sol, nascente ou poente, influencia diretamente no preço final do empreendimento.

Isso porque a luz solar se relaciona diretamente ao conforto térmico que você terá dentro da sua casa durante as estações do ano. Assim, a falta ou excesso de sol pode gerar problemas estruturais no imóvel e na mobília, como a ocorrência de fungos ou mofo, ou até mesmo ajudar a desenvolver e/ou piorar alergias e doenças respiratórias nos moradores!

Por essas e outras razões, na hora de buscar o seu novo imóvel, é importante entender como analisar a incidência solar, se é nascente ou poente, em cada uma das opções do seu interesse. Confira nossas dicas!

Para facilitar sua experiência, você pode navegar pelo menu clicável abaixo.

O que determina a posição do sol nascente ou poente em um imóvel?

Antes de entendermos melhor o que significa um imóvel nascente ou poente, precisamos compreender, ou relembrar, alguns conceitos básicos de Geografia e da trajetória do sol. 

Basicamente, nosso planeta é dividido em hemisférios norte e sul através de uma linha imaginária: a Linha do Equador. Quanto mais próximo dela você estiver, menor é a variação de luz solar ao longo do ano, independentemente da estação. Também é importante lembrar que o sol sempre nasce na direção leste e se põe no oeste.

Linha do equador - Posição do sol nascente ou poente
Linha do Equador

Agora você pode estar se perguntando: o que isso tem a ver com a posição do sol nascente ou poente em imóveis? Tudo! 

Isso porque a trajetória solar influencia diretamente os projetos arquitetônicos de empreendimentos. Um prédio cuja fachada é voltada para o norte ou para o sul pode receber mais ou menos luz, dependendo de alguns fatores. São eles:

  • O hemisfério onde o empreendimento se localiza. Ou seja, um prédio em algum país europeu terá uma face com maior predominância solar diferente de um imóvel construído no Brasil;
  • A distância da localidade até a Linha do Equador;
  • As estações do ano;
  • Sua orientação em relação aos pontos cardeais (Norte, Sul, Leste e Oeste).

Além disso, como a maior parte do território brasileiro fica no hemisfério sul, quer dizer que ter uma das faces do imóvel voltadas para o norte resulta em maior incidência solar durante o dia. A justificativa é que o sol permanece mais ao norte por aqui. Portanto, ao levarmos esses fatores em consideração, temos que:

  • Norte: Empreendimentos voltados para o norte recebem a maior parte dos raios solares ao longo do ano, seja em nascente ou em poente. Dessa forma, imóveis com ambientes voltados para esse ponto cardeal irão receber mais luz natural;
  • Sul: Imóveis cuja fachada é voltada para o sul recebem menor iluminação natural diária ao longo do ano;
  • Leste: Empreendimentos com face voltada para o leste recebem maior incidência de raios solares durante a manhã – ou nascente;
  • Oeste: A direção oeste é a que mais recebe luz solar durante a tarde – ou poente.

Portanto, para resumir: um imóvel nascente tem sua fachada virada para o leste. Já um imóvel poente é voltado para a posição oeste.

Observe este exemplo: na planta do Residencial Vaca Brava 53, da CMO Construtora, há três apartamentos nascentes, com final 01, 02 e 03. Já os com final 04, 05 e 06 possuem aspectos poentes. À direita da imagem, há uma rosa dos ventos simplificada.

Como saber se o imóvel é nascente ou poente? - 1
Planta Residencial Vaca Brava 53

Nascente ou poente, o que é melhor?

Para chegar a essa conclusão é preciso analisar as vantagens e desvantagens de cada uma dessas opções. Vamos lá?!

Imóveis nascentes:

Como já falamos, imóveis com face voltada para o nascente tendem a receber maior incidência de raios solares durante a manhã. Isso é vantajoso, já que o sol da manhã (até às 10h) é considerado o mais saudável. Além disso, empreendimentos com face voltada para o leste ajudam a manter o clima dentro de casa mais ameno. Consequentemente, a temperatura fica menor durante a tarde – e esse é um aspecto imprescindível em lugares de altas temperaturas, como Goiânia.

A desvantagem é que esse conforto térmico tem um preço. Afinal, como já dissemos, a posição solar influencia diretamente no preço final dos imóveis, sendo que os apartamentos nascentes tendem a ser mais caros que o de empreendimentos poentes, dependendo das características climáticas do local.

Novamente, o Residencial Vaca Brava 53, localizado no Setor Bueno, é um bom exemplo dessa variação. Nesse empreendimento, a diferença de preços entre dois apartamentos em um mesmo andar – sendo um majoritariamente nascente e outro predominantemente poente – pode chegar a até 10%!

Imóveis poentes: 

À primeira vista, um imóvel poente parece ter mais desvantagens do que vantagens. No entanto, o preço final geralmente é menor.

Outro ponto positivo desses empreendimentos é que eles contam com luminosidade natural prolongada – ou seja, a necessidade de luzes artificiais dentro de casa durante o dia é menor. Se você transformar um quarto em escritório e fizer home office, por exemplo, é interessante contar com esse tipo de iluminação. Além disso, imóveis poentes diminuem a proliferação de agentes causadores de problemas como a rinite alérgica.

Porém, tanta luz solar pode ser um problema para lugares como Goiânia, onde o sol da tarde costuma trazer uma sensação de abafamento para os ambientes.

Mas afinal, o que é melhor poente ou nascente?

Depois de analisar os prós e contras de um imóvel nascente ou poente, você deve ponderar o que é melhor na sua situação de compra, considerando seu limite de orçamento, a região onde você quer morar, seus planos a longo prazo e também a sua utilização do imóvel. 

Por exemplo: se você permanece longos períodos em casa, e pretende fazer uma aquisição “para toda a vida”, vale a pena investir em um imóvel com posição solar nascente.

Já se sua preferência é uma região disputada, próximo a um ponto de grande circulação, como universidades, por exemplo, talvez valha mais a pena dar prioridade para outros fatores, como a localização e o seu orçamento disponível. Nesse caso, se o imóvel ideal encontrado for poente, é mais fácil procurar soluções para refrescar o apartamento nas estações mais quentes, do que optar por um apartamento que não corresponda às suas preferências.

Dicas para escolher um imóvel nascente ou poente

Depois de avaliar as vantagens e desvantagens entre essas opções, é possível que você já tenha em mente qual tipo de empreendimento você tem preferência na compra. No entanto, é importante que você leve em consideração as dicas a seguir, antes de bater o martelo e decidir se seu novo lar terá uma posição do sol nascente ou poente.

Visite o empreendimento em momentos distintos do dia

Pode parecer uma dica óbvia, mas realizar mais de uma visita e em momentos diferentes do dia ao imóvel que você deseja comprar pode ser um trunfo na hora da decisão. Afinal de contas, nada melhor do que ter uma noção de como será, na prática, o conforto térmico no dia a dia do seu novo imóvel.

Combine o fator incidência solar, com outros fatores decisivos antes de fechar o negócio

Imagine que você comprou um apartamento nascente, mas no segundo andar. Alguns anos depois, um novo empreendimento começa a ser construído bem em frente a sua janela principal, e em pouco tempo, todo o sol que antes iluminava toda a sua casa, é “coberto” pelo seu empreendimento vizinho, além do barulho constante de obras no seu ouvido. Chato né?!

Mesmo que você não possa prever uma situação como essa, você pode se prevenir! A dica aqui é, avalie o fator incidência solar, aliado a outras características do imóvel, como andar, localização e vizinhança. O potencial de expansão do bairro onde está situado seu novo imóvel também pode influenciar no seu dia a dia. Então, conhecer as redondezas do seu empreendimento pode fazer toda a diferença!

Nem todo apartamento é 100% nascente ou 100% poente

Apartamentos que não possuem todas as janelas voltadas para o leste ou oeste são bem comuns. Portanto, leve em consideração os conceitos de cômodos de permanência longa ou transitória.

Os cômodos de permanência longa são aqueles em que você passará a maior parte do seu tempo, ou seja, a sala, quartos e a cozinha. Já os de permanência transitória são aqueles lugares onde você passará períodos curtos de tempo, como o banheiro, por exemplo.

Nesse tópico, temos uma dica importante para você: quando for visitar o imóvel, analise a incidência do sol em cômodos como o quarto, por exemplo. Em regiões de clima seco e quente, como Goiânia, a incidência do sol da tarde pode fazer com que a temperatura desse cômodo fique muito elevada à noite, período que você mais vai permanecer no quarto. Assim, você pode dar preferência a apartamentos com essa área da casa em posição nascente. Ou, caso sua escolha seja por um apartamento poente, desde já você pode estudar alternativas para driblar a sensação de abafamento no quarto.

Como diminuir o calor em um apartamento poente?

Há alguns truques valiosos para deixar empreendimentos majoritariamente poentes mais frescos, principalmente nas estações mais quentes do ano. As soluções vão desde reformas e ajustes na estrutura do imóvel, até recursos naturais que podem ajudar a manter a garantir o conforto térmico aos moradores. 

Se você tem ou pretende comprar um apartamento poente, confira nossa lista com as principais maneiras de deixar seu imóvel poente mais fresco:

  • Invista em cortinas, persianas e blecautes –  Esses recursos podem ser um grande trunfo para barrar o calor que a incidência direta do sol traz aos cômodos. Dê preferência para cortinas e blecautes com a parte externa branca, ou todo branco, já que assim o calor não é absorvido pelo tecido.
  • Aposte em lâmpadas de LED – Você já experimentou trocar uma lâmpada incandescente logo depois de desligar o disjuntor? Essa pode ser uma experiência dolorosa, já que esse tipo de lâmpada esquenta durante o uso. Por isso, opte por lâmpadas de LED para evitar que os cômodos que recebem o sol da tarde fiquem ainda mais quentes, principalmente à noite.
  • Ventilador, ar-condicionado e umidificador de ar – Fiéis companheiros de quem gosta do clima geladinho, ventiladores e aparelhos de ar-condicionado ajudam a diminuir a temperatura com mais agilidade, apesar de, principalmente os aparelhos de ar-condicionado, representarem um investimento de aquisição, instalação, e mensalmente, ônus na conta de energia elétrica. Já os umidificadores são ótimos recursos em ambientes de clima seco, como Goiânia, e ajudam inclusive a prevenir doenças respiratórias por conta da desidratação da mucosa respiratória.
  • Revestimentos frios e paredes brancas – Dar preferência a revestimentos frios, paredes claras e tecidos leves, no caso de sofás, poltronas e cadeiras, por exemplo, ajudam a fazer com que o ambiente não retenha o calor externo. Além disso, colocar películas de proteção solar nas janelas, como aquelas usadas nos carros, pode ser uma dica valiosa para ajudar a refrescar o ambiente.
  • Use a natureza a seu favor – Plantas, rodas e espelhos d’água aumentam a evaporação e auxiliam a manter o ambiente mais úmido de forma natural. No caso das plantas, opte por espécies que se adaptem à incidência solar direta. Uma boa solução para quem mora em apartamento são os jardins verticais. Já que além de esteticamente bonitos, eles ainda auxiliam a aumentar o frescor no ambiente.

Encontre seu novo apartamento agora mesmo!

Agora que você já sabe como escolher entre apartamentos nascentes e poentes, que tal conferir mais de 150 opções de empreendimentos em Goiânia?!

Acesse nosso buscador e encontre seu novo apartamento filtrando suas preferências de bairro, número de quartos e faixa de valor!